• O Ombro do Nadador

    O nadador competitivo apresenta freqüentemente lesões que acometem a articulação do ombro. Estudos epidemiológicos já mostraram que aproximadamente metade dos nadadores já se afastou dos treinamentos por um período de três semanas devido a estas lesões. Estes estudos também evidenciaram que 40% dos nadadores já competiram com dor nesta articulação. A lesão no ombro pode encurtar a carreira do nadador, fazendo com que este abandone as piscinas precocemente.
    Muitos são os fatores que favorecem a lesão no ombro dos nadadores. Como principais podemos citar a frouxidão articular, o número de repetições das braçadas, a fadiga muscular e os erros na técnica e no treinamento.

    A frouxidão articular é uma característica do nadador. Os atletas apresentam boa flexibilidade, fator importante para uma natação eficiente. Porém, esta flexibilidade pode se tornar prejudicial quando é excessiva, sendo chamada então de instabilidade. O ombro com instabilidade é dolorido, e favorece a ocorrência de lesões nos tendões, bursas e cartilagem articular. Esta é a principal causa de afastamento dos atletas dos treinamentos e competições. A instabilidade pode ser evitada tomando-se cuidado com os exercícios de alongamento, evitando o estiramento excessivo dos ligamentos que estabilizam a articulação. O atleta que apresenta frouxidão articular como característica constitucional deve estar atento. Seu ombro pode tornar-se instável devido aos treinos de alongamentos realizados de forma incorreta. Outra forma de se evitar a instabilidade é manter fortalecidos músculos específicos como o serrátil anterior, subescapular e rotadores laterais.
    Outro fator que predispõe o ombro a lesões é a repetição das braçadas e a fadiga muscular. Estima-se que o nadador que treine por volta de 10.000 metros por dia, 6 vezes por semana, durante 10 meses no ano, execute aproximadamente 4 milhões de braçadas. Isto gera uma sobrecarga no ombro, já que 90% da propulsão na natação é realizada pelos braços, com exceção do nado peito onde a pernada assume grande parcela na propulsão. A fadiga muscular faz com que os movimentos do ombro não sejam realizados de forma coordenada, sobrecarregando os tendões e favorecendo a lesão destas estruturas.

    A técnica da braçada quando executada de maneira errada também sobrecarrega os ligamentos e tendões do ombro. Cuidados com o posicionamento dos cotovelos, posição de entrada da mão na água e inclinação do tronco devem ser observados. Cabe aos técnicos do atleta a correção destas falhas, prevenindo as lesões e melhorando o desempenho de seus atletas.

    O atleta lesionado geralmente é tratado de maneira conservadora. Manter o atleta na água é muito importante, mas requer uma diminuição da metragem nadada e da intensidade do exercício. Medidas terapêuticas como fisioterapia, medicação, alongamento e exercícios específico possibilitam o retorno ao nível competitivo.

    O enfoque preventivo da lesão do ombro do nadador é o principal fator a ser abordado. Este enfoque é multidisciplinar, e envolve o técnico, preparador físico, nutricionista, médico e fisioterapeuta. Os cuidados com a flexibilidade, com a técnica da braçada e treinamento podem prevenir as lesões fazendo com que o atleta aumente seu rendimento e sua carreira dentro da natação.
    BIBLIOGRAFIA

    Kennedy, J.C., Hawkins, R.J.: Swimmers shoulder. Physician Sports Med 2: 34-38, 1974.
    Richardson A.B., Jobe F.W., Collins H.R.: The shoulder in competitive swimming. Am J Sports Med 8: 159-163, 1980.
    McMaste W.C.: Anterior glenóide labrum damage: a painful lesion in swimmers. Am J Sports Med 14:383-387, 1986.
    Scovazzo, M.L., Browne, A., Pink, M.: The painful shoulder during freestyle swimming. Am J Sports Med 19: 577-582, 1991.
    Pink, M., Perry, J., Jobe, F.W., Scovazzo, M.L.: The normal shoulder during freestyle swimming: An ENMG and cinematographic analisys of twelve muscles. Am J Sports Med 19: 569-575, 1991.
    McMaster, W.C., Troup, T.: A survey of interfering shoulder pain in the United States competitive swimmers. Am J Sports Med 21: 67-70, 1993.
    Allegrucci, M., Whitney, S.L., Irrgang, J.J.: Clinical implications of secondary impingement of the shoulder in freestyle swimmers. J Orthop Sports Phys Ther 9: 307-318, 1994.
    Zemek M.J., Magee D.J.: Comparison of glenohumeral joint laxity in elite and recreational swimmers. Clin J Sport Med 6: 40-47, 1996.
    Bak K., Magnusson S.P: Shoulder strengh and range of motion in symptomatic and pain free elite swimmers. Am J Sports Med 25: 454-459, 1997.
    Cohen M., Abdalla R.J., Ejnisman B., Schubert S., Lopes A.D., Mano K.S.: Incidência de dor no ombro em nadadores brasileiros de elite. Rev Bras Ortop 33(12):930-932, 1998.
    McMaster W.C., Roberts A., Stoddard T.: A correlation between shoulder laxity and interfering pain in competitive swimmers. Am J Sports Med 26: 83-86, 1998.
    McMaster W.C.: Shoulder injuries in competitive swimmers. Aqu Sports Inj Rehabilitation 18: 349-359, 1999.
    Weldom E.J., Richardson A.B.: Upper extremity overuse injuries in swimming. Cin Sports Med 20: 423-438, 2001.

    CONTATO:

    Dr. Gustavo Cará Monteiro.
    Membro do Comitê de Traumatologia do Esporte da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia.
    FONTE NO LINK Centro de Traumatologia Esportiva – SP

Leave a reply

Cancel reply